Amazon Kindle 2: O futuro do livro?

Fundada em 1995, a Amazon.com é uma das maiores lojas virtuais do mundo. Tudo começou quando Jeffrey Bezos pediu demissão do seu confortável emprego em Wall Street e resolveu montar uma loja virtual de livros. Em menos de 4 anos, a loja já era um fenômeno de vendas, faturou em 1999 a cifra de 1,6 bilhões de dólares e já vendia muitos outros tipos de produtos. Em 2007, o lucro foi de 476 milhões.

Hoje, a empresa não assiste apenas o seu sucesso. Entre os investimentos para o futuro, surge, em 2007, o Amazon Kindle, um leitor de livros virtuais que tem se destacado dos seus concorrentes pela qualidade, facilidade de uso, e já vendeu mais de 250 mil unidades.

Ler em uma tela sempre foi muito desconfortável e cansativo e nada prático. Com o Kindle você pode ler em qualquer lugar, deitado na cama, na rua, em uma viagem. Ele é revolucionário e, possivelmente, o primeiro passo bem sucedido para o papel eletrônico. Com um chip de celular, o leitor pode comprar livros, revistas, ler blogs, Wikipédia e sites de notícias.

Esta semana, a Amazon lançou a nova versão do produto. O Kindle 2 já é bem mais fino e leve do que a primeira versão, possui uma tela que permite uma leitura confortável e a visualização de fotos e imagens com uma qualidade aceitável.

O leitor tem uma batéria que permite o uso durante 2 semanas com o wi-fi desligado ou 4 dias conectado à internet, a memória é de 2 gigas e já existem mais de 230 mil livros virtuais (eBooks) disponíveis para o aparelho. Custa 359 dólares, caro ainda, mas é um começo.

Uma tecnologia que ainda engatinha e tenta conquistar os leitores do velho e bom livro de papel. Um desafio e tanto, já que, ao contrário do eletrônico, o livro não enguiça! Provavelmente, muito em breve veremos essa tecnologia se desenvolver cada vez mais rápido.

O livro de papel como conhecemos não vai deixar de existir, mas vai se tornar uma mídia obsoleta, assim como o vinil. Pode parecer viagem demais, mas há 20 anos atrás, quem acreditaria que o vinil viraria peça de museu? Tratar música como um arquivo digital deveria ser piada!

Espero que essa evolução se dê mais rápido do que imaginamos. E você, está pronto para jogar fora todos os livros da sua estante?

10 thoughts on “Amazon Kindle 2: O futuro do livro?

  1. Achei genial a idéia da amazon em lançar o Kindle, desde o início. Mas para se tornar “revolucionária”, depende a meu ver de preço (atualmente, os preços da amazon não diferem muito) tanto do aparelho como dos livros, quem sabe uma mega-promoção compre o Kindle e ganhe 10 obras a sua escolha e tal. Lembre do barbeador, no início foi de grátis…Quem sabe funcione.

    No Brasil, cada indivíduo deve comprar 0,3 livros por ano. Esta aí um novo mercado a ser explorado. Fico a pensar também no domínio que a empresa poderá ter com os e-books, digamos alternativo. Para os escritores sem espaço e sem grana poderá ser também uma grande alternativa para publicação. Enfim, presenciamos o lançamento de algo que irá dividir a história.

    Para início de conversa, 359 esta até barato….

  2. Eu vi uma menina no metro lendo um livro desses, fiquei que nem uma tabaroa tentando descobrir o que era, dai bisbilhotei e vi que era um livro.. hehehe.. tinha até uma capinha de couro.

  3. Já conhecia o kindle e na época achei fantástico. A versão 2 é absurdamente mais compacta. Assim q baratear ou eles lançarem para uso com arquivos *pdf, irei comprar.

  4. Estou ouvindo os depoimentos sobre o Kindle 2: Eu fiquei entusiasmada, embora goste tanto do papel, do livro enquanto formato. É claro que ter um equipamento que te permite ler livros, revistas, jornais em um leitor tão
    leve é fantástico!. Eu gostaria de ter um se tivesse grana. Mas não abandonaria a leitura de um livro em papel.
    Cerca de 230.000 livros + jornais internacionais, revistas, blogs disponíveis. Você também pode ouvir a leitura do livro, revista ou artigo de jornais.

  5. O livro é a maior resistência da sociedade! Será que finalmente vai se tornar obsoleto?
    Pelo menos aqui no Brasil é mais seguro ler no papel mesmo…

  6. jaime: a cerca de 15 anos meu cunhado (bem de vida) fez um consorcio para comprar um celular. eu usava discos de vinil hoje nem CD ou DVD eu uso mais ,tirava fotos com uma maquina fotografica analogica hoje tiro ate com o meu celular (coisa que seria imposivel de se imaginar a 15 anos atraz) nao vai levar 15 anos para o livro digital estar rolando no lixo e todos terao um no bolso como aconteceu com o celular. a coisa e matematica so nao ve quem nao quer.

  7. Com o smartphone posso ler livros com imagens coloridas, tirar fotos, editar, assistir a filmes em alta resolução, gravar, navegar na internet, fazer compras, ir ao banco, ouvir músicas, rádio, TV, …, e carregar tudo isso no bolso.

    Acredito que fabricar e comprar uma máquina “gigantesca – Tamanho A4!, e frágil ” que somente permite a leitura de livros é um retrocesso tecnológico.

Comments are closed.